Spore

quarta-feira, 10/09/2008

Depois de alguns dias jogando Spore posso afinal dizer a que veio o jogo. De forma despretensiosa ele é um simulador do que você quiser, até um certo grau é claro.

Com os editores que existem no jogo o limite é a imaginação de cada um, criando ou pervertendo qualquer coisa. O editor de naves tem formatos famosos, como o Star Destroyer e afins. O criador de criaturas está ai há algum tempo, então hoje em dia nem sei o que mais pode ser criado com ele, é só olhar o site oficial e ver as monstruosidades que lá estão. Já o criador de veículos marinhos e terrestres requerem mais pensamento, mas não deixam de ser extremamente detalhados e quase ilimitados.

Além da parte de criação de coisas você pode evoluir sua criatura até ela deixar o planeta e cruzar o universo, e este é enorme, então tem muita coisa a ser vista. O mais frustante é a dependência de dinheiro para se movimentar, afinal você precisa comprar energia e reparar a nave já que em cada canto pode ter uma raça inimiga, mas mesmo assim é um prato cheio para quem gosta de um desafio.

Acho que posso dizer que Spore é um daqueles jogos que tem vida longa, já o fator de repetição é bem grande. Ainda não terminei ele, mas já comecei outra criatura para tomar decisões diferentes e ver onde vou parar. Aqui no Brasil ele está sendo vendido a R$ 99 a versão mais simples e a R$ 139 a versão com extras.

Anúncios

Y the last man

sábado, 19/07/2008

Em um mundo cheio de mulheres, o que faria o último homem? Será que ele sairia e se comportaria como um homem normal? Será que se sentiria acuado pela presença feminina abundante? Ou viraria ele um garanhão para a reprodução humana? Em um mundo cheio de mulheres, haveria espaço para o último homem?

Essas são boas perguntas e muitas delas são respondidas em Y the Last Man, um quadrinho da linha Vertigo que começou a ser publicado em 2002 e terminou no ano passado. Nele temos a história de Yorick Brown, o último ser humano masculino do planeta após uma praga que dizimou todas as criaturas que tinham o cromossomo Y. Bem, todas não, Yorick tem um macaco chamado Ampersand, que o acompanha em uma grande empreitada através do mundo em busca de sua namorada que estava na Austrália.

Nas 60 edições de Y, vemos Yorick apanhar, chorar, se machucar, ser torturado, correr, amar e ser humano. Talvez esse seja o grande feito deste quadrinho, ele traduz bem a essência do ser humano, as vezes seu lado bom, e outras seu lado mau, definitivamente algo real, não um estereótipo tirado de algum filme. O roteiro é consistente, a arte o acompanha e temos uma boa combinação para se manter intrigado e entretido anos a fio. Apesar de ser sobre o último homem, as mulheres estão presentes na trama e são tão magníficas como as mulheres que encontramos em vida, e a interação entre Yorick e elas são o charme e o lado sexy de que a história precisa.

Este é um dos quadrinhos que recomendo a todos meus amigos lerem. E quando ele chegou ao fim o primeiro comentário que ouvi foi: “Droga, agora tenho que achar algo para ler no lugar do Y the last man.” Dificilmente acharemos algo parecido, já que o humor e a tenacidade de Y são únicas, assim como suas citações a filmes e músicas das décadas 60 e 70. Claro que existirão outros bons quadrinhos, mas Y entra para a seleta lista dos melhores já produzidos.


Macross Frontier

terça-feira, 01/07/2008

Se existe um motivo para se ter um bom computador e um monitor bem grande ele se chama Macross Frontier. A qualidade e a beleza deste anime só é comparável a riqueza de detalhes e a história que até agora tem sido muito bem administrada. Lançados doze capítulos até agora, a trama está apenas esquentando, mas com certeza será lembrada como um dos melhores animes já produzidos até então.

A série Macross se baseia em quatro pilares: um triângulo amoroso, músicas poderosas, guerras espaciais e robôs transformáveis. Como em todas as histórias anteriores, temos um triângulo amoroso entre um piloto e duas mulheres; músicas incrívelmente bem orquestradas, com vocais poderosos e produzidas por ninguém menos do que Yoko Kanno; a guerra novamente se encontra de frente com os protagonistas e desta vez é um inimigo totalmente novo; por fim temos os caças mais avançados da galaxia novamente cruzando o espaço e lutando pela humanidade.

Como a série ainda está em produção, só saberemos se a história é realmente boa daqui a alguns meses, mas até agora não só é interessante como também presta homenagem a todas as outras histórias oficiais de Macross. Revelar qualquer detalhe é uma grande perda de tempo, pois a grande jogada deste anime é a fusão entre a parte sonora e a visual. Quando ambas estão ali em movimento a vontade é de estar imerso naquele espaço ou céu, desfrutando da sensação de liberdade que o anime proporciona.

Os destaques até agora vão para os capítulos sete, dez e doze, que prestam homenagens e interligam todos os Macross. Simplesmente necessário.